Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 22 de maio de 2010

Wabi Sabi: uma fábula japonesa



Wabi Sabi: uma fábula japonesa
(Neide Medeiros Santos – Crítica literária da FNLIJ/PB)

Um velho pinheiro pode ensinar-lhe as verdades sagradas
(Provérbio Zen)

Você sabe o que é Wabi Sabi? Não sabe? Eu também não sei, mas vamos descobrir com a leitura do livro “Wabi Sabi”, de Mark Reibstein, Arte de Ed Young, traduzido no Brasil por Luzia Aparecida e Monica Stahel, com selo da WMF Martins Fontes (2009).
Wabi Sabi é a história de uma gata que vivia em Kioto, no Japão. Um dia, sua dona recebeu visitantes de outro país que indagaram sobre o nome estranho da gata, mas a dona não soube responder. A própria gata resolveu sair pelo mundo à procura do verdadeiro significado do seu nome.
A pesquisa começou dentro de casa. Wabi Sabi consultou à colega Bola de Neve que deu esta resposta:
“– É uma espécie de beleza.”
Esta resposta não a convenceu, procurou, então, o cachorro Rascal que disse:
“– É difícil explicar para alguém como você”.
De forma quase imperceptível, falou baixinho:
“- Isso é Wabi Sabi!
Uma folha amarelada,
seca e tão comum.”
As coisas começaram a se complicar. Rascal havia respondido com um haicai, tudo continuava sem explicação.
Passou um passarinho voando e ela gritou:
“- Alguém pode me explicar o que é Wabi Sabi?”
O passarinho respondeu:
“– É difícil de explicar – Mas sei de alguém que pode ajudá-la. Seu nome é Kosho e ele vive no monte Hiei, no leste”.

Wabi Sabi agradeceu ao passarinho e continuou a sua peregrinação. Andou, andou, andou... o caminho era longo, teria que atravessar toda a cidade e depois seguir em direção ao monte Hiei.
Kosho era um macaco muito sábio. Quando Wabi Sabi o encontrou, ele estava tomando chá. Diante da indagação de Wabi Sabi, Kosho pediu que ela o observasse enquanto ele preparava o chá e fez a seguinte recomendação:
“– Ouça. Veja. Sinta.”
O macaco se movimentava devagar, com muita graça, parecia que estava dançando, lidava com os objetos de madeira e argila como se fossem de ouro.
Depois de certo tempo, o macaco virou-se para Wabi Sabi e disse:
“– As coisas singelas são belas.”
Olhando para o chá, Wabi Sabi disse por fim:
“- Agora entendi.”
Agradeceu a Kosho, seu novo amigo, e iniciou a viagem de volta para casa. Nessa viagem de regresso, Wabi Sabi descobriu belezas já vistas, mas não sentidas, nem observadas – como os jardins de uma casa que não eram extravagantes nem grandiosos, mas belos.
Quando chegou em casa e descansou em seus aposentos, pôde sentir o calor do ambiente em que estava e o cheiro do vento em seu pelo. Sua dona, ao vê-lo, indagou:
“– Onde você esteve?”
Ela simplesmente respondeu:
“– É difícil de explicar”.
Procurei recontar esta bonita fábula de origem japonesa, mas não disse tudo, muitas coisas estão guardadas nas páginas do livro.
Wabi Sabi é um livro lindo. As ilustrações foram feitas com materiais retirados da natureza – cascas de madeira, colagens, folhas amarelecidas pelo outono. É uma fábula moderna que vai mostrando, pouco a pouco, o verdadeiro sentido da vida que se resume em uma palavra – simplicidade.
O livro é bilíngue – português/japonês e contém muitos haicais de Bashô e Shiki, tudo escolhido por Nane Tamina.
Para os gatófilos, como os poetas Ferreira Gullar, André Ricardo de Aguiar e o casal Cláudio /Yó Limeira este livro caiu do céu.

2 comentários:

Talma disse...

Lindo! Adorei a história.

Anônimo disse...

Otimo!!! Me salvou em portugues! Eu faço parte do clube da leitura se vc quiser saber mais é so me seguir: escolamunicipalgiovaninichiodi@blogspot.com